"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim" Chico Xavier

Seguidores

Arquivos

Parceria

Blogs Favoritos

Tecnologia do Blogger.

Anuncie

Interessados em anunciar aqui? Será um prazer.
Entre em contato: rosemeire_coliveira@yahoo.com.br

Muito Obrigada



.

Postagens Recentes

sexta-feira, 28 de março de 2008
Nunca pensei em ter um Blog, mas resolvi aderir a sugestão do amigo Alexandre, e confesso que estou gostando da idéia.....hehehh

Para a primeira postagem, escolhi uma composição do sensacional Chico Buarque - “Construção”, música composta em 1971, durante o período da ditadura.
A arte de Chico propõe a mudança de um “sistema”, por meio da criação de sujeitos que “refletem e retratam” a “realidade” social brasileira com o propósito de invertê-la. Nesse momento histórico, canções como esta eram proibidas de serem tocadas e ouvidas no Brasil.


Construção
Composição: Chico Buarque


Amou daquela vez
Como se fosse a última
Beijou sua mulher
Como se fosse a última
E cada filho seu
Como se fosse o único
E atravessou a rua
Com seu passo tímido
Subiu a construção
Como se fosse máquina
Ergueu no patamar
Quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo
Num desenho mágico
Seus olhos embotados
De cimento e lágrima
Sentou prá descansar
Como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz
Como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou
Como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou
Como se ouvisse música
E tropeçou no céu
Como se fosse um bêbado
E flutuou no ar
Como se fosse um pássaro
E se acabou no chão
Feito um pacote flácido
Agonizou no meio
Do passeio público
Morreu na contramão
Atrapalhando o tráfego...

Amou daquela vez
Como se fosse o último
Beijou sua mulher
Como se fosse a única
E cada filho seu
Como se fosse o pródigo
E atravessou a rua
Com seu passo bêbado
Subiu a construção
Como se fosse sólido
Ergueu no patamar
Quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo
Num desenho lógico
Seus olhos embotados
De cimento e tráfego
Sentou prá descansar
Como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz
Como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou
Como se fosse máquina
Dançou e gargalhou
Como se fosse o próximo
E tropeçou no céu
Como se ouvisse música
E flutuou no ar
Como se fosse sábado
E se acabou no chão
Feito um pacote tímido
Agonizou no meio
Do passeio náufrago
Morreu na contramão
Atrapalhando o público...

Amou daquela vez
Como se fosse máquina
Beijou sua mulher
Como se fosse lógico
Ergueu no patamar
Quatro paredes flácidas
Sentou prá descansar
Como se fosse um pássaro
E flutuou no ar
Como se fosse um príncipe
E se acabou no chão
Feito um pacote bêbado
Morreu na contra-mão
Atrapalhando o sábado...

Por esse pão prá comer
Por esse chão prá dormir
A certidão prá nascer
E a concessão prá sorrir
Por me deixar respirar
Por me deixar existir
Deus lhe pague...

Pela cachaça de graça
Que a gente tem que engolir
Pela fumaça desgraça
Que a gente tem que tossir
Pelo andaimes pingentes
Que a gente tem que cair
Deus lhe pague...

Pela mulher carpideira
Prá nos louvar e cuspir
E pelas moscas bixeiras
A nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira
Que enfim vai nos redimir
Deus lhe pague...


http://www.youtube.com/watch?v=P7mHf-UCZp0


Até a próxima.......

1 comentários:

Alexandre Sousa disse...

nossa, bela escolha pra começar o blog hein, meire?

A construção de uma sociedade baseada em individuos que refletem é o começo de um mundo melhor. Somos totais responsáveis por nossas ações e pelas lições que podemos aprender com elas.